Redundância e alta disponibilidade: qual é a relação entre elas?
Outubro 26, 2018 Tecnologia

Redundância e alta disponibilidade: qual é a relação entre elas?

Em uma época em que nossas informações mais importantes estão on-line, ficar indisponível - mesmo que por poucos segundos - pode custar muito caro. Saiba o que fazer para evitar que isso aconteça.

Com cada vez mais soluções e aplicações on-line sendo desenvolvidas, estar na nuvem deixou de ser só uma facilidade e se tornou uma necessidade real para milhões de pessoas. A tecnologia de armazenamento na nuvem atrai cada vez mais usuários, inclusive no mundo dos negócios.

Hoje, grandes e pequenas corporações têm implantado redes de intranet em seus processos, de modo que grande parte de suas operações são feitas inteiramente pela web. São milhões de dados estratégicos que precisam ser guardados em segurança e, mais do que isso, precisam estar altamente disponíveis, o tempo inteiro.

Mas e se o sistema falhar?

Problemas de indisponibilidade

A queda de um sistema corporativo, mesmo que momentânea, pode gerar grandes prejuízos que vão além dos financeiros. A inatividade pode acabar por custar clientes, negócios, relacionamentos comerciais e a credibilidade da empresa.

Por isso, na mesma proporção em que o uso da tecnologia em nuvem vem crescendo, são desenvolvidos novos métodos que sejam capazes de ampliar o desempenho dessa rede. E um dos recursos mais citados quando o assunto é alta disponibilidade é a redundância.

A importância da redundância

Acreditar que um único sistema pode dar conta do funcionamento pleno do seu serviço é uma aposta. E você pode perder. Afinal, caso ocorra qualquer tipo de instabilidade, toda a sua atividade é derrubada.

Para aumentar a confiabilidade do seu ambiente operacional é de suma importância a aplicação de repetição dos componentes críticos, ou seja, que todos os elementos da operação sejam duplicados, no mínimo. Assim, o seu ambiente se torna tolerante a falhas, já que se acontecer algum problema com o sistema principal, o outro assume imediatamente a operação em questão.

Resumidamente, na tecnologia, a redundância é feita de elementos diferentes que funcionam de forma integrada e que podem se substituir caso seja necessário.

Algumas formas de redundância

Existe uma série de medidas que você pode tomar para aumentar a disponibilidade do seu ambiente, já que a redundância pode ser aplicada tanto em equipamentos quanto em softwares.

Invista em diferentes fontes de energia, como nobreaks, baterias e geradores que possam manter o sistema ativo mesmo em caso de instabilidade da rede elétrica. A conectividade também é um ponto importante que merece atenção, por isso mantenha sempre mais de uma rede de conexão com a internet. Além, é claro de fazer backups regulares de seus dados e dispor de múltiplos equipamentos próprios de TI.

Redundância de gateway

E, por último, mas de forma alguma menos importante, temos os protocolos de redundância de gateway. O gateway funciona como um portal que estabelece a comunicação entre duas redes, é ele que organiza a comunicação entre o seu computador e a internet, por exemplo.

Dada tamanha importância, existem vários protocolos (HSRP, GLBP e VRRP) que atuam para tornar o gateway redundante, minimizando as falhas e mantendo os dados altamente disponíveis. Antes escolher um deles, é interessante que você avalie qual se aplica melhor ao que você precisa.

Para te ajudar a entender um pouco mais sobre o assunto, o Gerente de Redes da HostDime Brasil, Lucas Montarroios, desenvolveu um estudo mais aprofundado e muito interessante sobre esses protocolos de redundância de gateway. Para acessá-lo, basta clicar aqui.

Deixe um comentário