Dezembro 2, 2016 Matérias

Google, Facebook e Microsoft envolvidos com a Inteligência Artificial

Fei-Fei Li é diretora dos laboratórios de Inteligência Artificial e visão da universidade de Stanford. Foi ela que supervisionou a criação do ImageNet, uma vasta base de dados de imagens projetadas para acelerar o desenvolvimento da IA. Certamente isto vem ajudando na criação de sistemas de aprendizagem profunda que são capazes de reconhecer objetos, animais, […]

brain

Fei-Fei Li é diretora dos laboratórios de Inteligência Artificial e visão da universidade de Stanford. Foi ela que supervisionou a criação do ImageNet, uma vasta base de dados de imagens projetadas para acelerar o desenvolvimento da IA. Certamente isto vem ajudando na criação de sistemas de aprendizagem profunda que são capazes de reconhecer objetos, animais, pessoas e até cenas inteiras de fotos. Esta tecnologia se tornou comum nos maiores sites de compartilhamento de fotos no mundo.

Grupos de Pesquisa

A Fei-Fei Li agora ajudará a gerenciar um novo grupo de IA dentro do google, algo que reflete o quanto as maiores empresas de tecnologia do mundo estão interessadas em dedicar seus esforços a IA. Juntamente com uma ex-pesquisadora de Stanford, Jia Li, que recentemente dirigiu pesquisas para o serviço da rede social Snapchat, a Fei-Fei, nascida na China, liderará uma equipe dentro da operação de computação em nuvem do Google, criando serviços on-line que qualquer codificador ou empresa pode usar para construir sua própria IA.

A Amazon também está construindo um grupo de pesquisa para iniciar os trabalhos com IA. O Facebook e o Twitter criaram grupos internos parecidos com o Google Brain. Nas últimas semanas, a Microsoft reorganizou grande parte de sua operação em torno de seu trabalho de aprendizagem de máquina existente, criando um novo grupo de IA e pesquisa sob a supervisão do vice-presidente executivo Harry Shum.

Oren Etzioni, CEO do Instituto Allen de Inteligência Artificial sem fins lucrativos, diz que essas mudanças são em parte sobre esforços de marketing (divulgação). O Google, por sua vez, está focando a atenção do público no novo grupo da Fei-Fei Li pois entende que isso é bom para o negócio de computação em nuvem da empresa. Mas Etzioni diz que isso também é parte de uma mudança muito real dentro dessas empresas.  “Isso não é apenas limpeza de vitrines”, diz ele.

 A nova Nuvem

O grupo de estudiosos da Fei-Fei Li vem se esforçando para solidificar a posição do Google nas guerras da IA. A empresa está desafiando rivais como a Amazon, Microsoft e IBM na construção de serviços de computação em nuvem especificamente projetados para o trabalho de inteligência artificial. Isso inclui serviços não apenas para reconhecimento de imagens, mas reconhecimento de fala, tradução orientada por máquina, compreensão da linguagem natural e muito mais.

A computação em nuvem nem sempre recebe a mesma atenção que os aplicativos e telefones de consumidores, mas pode vir a dominar o balanço destas gigantes. Até mesmo a Amazon e a Google, conhecidas por seus serviços direcionados ao consumidor, acreditam que a computação em nuvem pode eventualmente se tornar sua principal fonte de receita. E nos próximos anos, os serviços de IA atuarão diretamente nas tendências, fornecendo ferramentas que permitirão ao mundo de negócios construir serviços de aprendizado das máquinas. Iddo Gino, CEO da RapidAPI, uma empresa que ajuda as outras empresas a usar esses serviços, diz que já atingiu milhares de desenvolvedores, com serviços de reconhecimento de imagem.

Quando foi anunciado a nomeação da Fei-Fei Li, o Google revelou novos serviços em nuvem que oferecem reconhecimento de imagem e voz, bem como tradução por máquina. A empresa disse que em breve oferecerá um serviço que permite acesso a recursos como processadores GPU, chips que são essenciais para a execução de redes neurais profundas. Isso aconteceu poucas semanas depois que a Amazon contratou um notável pesquisador da Carnegie Mellon para administrar seu próprio grupo de computação em nuvem para a IA – e apenas um dia depois que a Microsoft revelou formalmente novos serviços para construir “chatbots” e anunciou um acordo para fornecer serviços de GPU para a OpenAI, Laboratório estabelecido pelo fundador de Tesla Elon Musk e o presidente da Y Combinator  Sam Altman.

A nova Microsoft

Mesmo que eles se mobilizem para fornecer IA para os outros (empresas etc), esses gigantes da internet estão trabalhando para acelerar significativamente o progresso da inteligência artificial em suas próprias organizações.

No final de setembro, a Microsoft anunciou a formação de um novo grupo de pesquisa chamado Microsoft IA. O Shum supervisionará mais de 5.000 cientistas e engenheiros de computação focados em esforços para impulsionar a IA para os produtos da empresa, incluindo o mecanismo de busca Bing, o assistente digital Cortana e investimentos da Microsoft em robótica.

A empresa já havia reorganizado seu grupo de pesquisa para empregar de forma ágil  novas tecnologias em produtos. Com a IA, Shum diz que a empresa pretende se mover ainda mais rápido. Nos últimos meses, a Microsoft testou o seu trabalho com o chatbot em produtos ao vivo, embora não com bastante sucesso. Ainda assim, a pesquisa é o melhor caminho para poder dar novos passos nos próximos anos.

“Com a IA, nós realmente não sabemos qual é a expectativa do cliente”, disse Shum. Ao acompanhar mais de perto a equipe que realmente constrói os produtos, a empresa acredita que pode desenvolver uma melhor compreensão de como a IA pode fazer coisas que os clientes realmente almejam.

Os Novos Cérebros

Da mesma forma, o Google, Facebook e o Twitter já formaram equipes centrais da IA, projetadas para disseminar a inteligência artificial em suas empresas. A equipe do Google Brain começou como um projeto dentro do laboratório do Google X sob supervisão de um outro ex-professor de ciência da computação de Stanford, Andrew Ng, agora cientista chefe do Baidu. A equipe fornece serviços bem conhecidos, como reconhecimento de imagem para o Google Fotos e reconhecimento de voz para Android. Mas também funciona potencialmente  com  qualquer grupo do Google, como as equipes de segurança da empresa, que estão procurando maneiras de identificar bugs de segurança e malwares através da aprendizagem de máquinas.

O Facebook, entretanto, dirige o seu próprio laboratório de pesquisa IA, bem como um grupo conhecido como Applied Machine Learning, cuja missão é impulsionar a IA em toda a família de produtos oferecidos pelo Facebook, e de acordo com o diretor de tecnologia Mike Schroepfer, já está funcionando. Um em cada cinco engenheiros do Facebook agora fazem uso da aprendizagem de máquinas. Schroepfer elogia muito as ferramentas construídas pelo grupo Applied Machine Learning. Quando eles constroem um novo modelo ou constroem uma nova técnica, ele é imediatamente usado por milhares de pessoas, diz ele. O Twitter construiu uma equipe similar, chamada Cortex, depois de adquirir várias startups de IA.

A Nova Educação

O problema para todas essas empresas é que encontrar esses novos talentos necessário para conduzir todo esse trabalho de AI pode ser difícil. Como a arquitetura de Rede Neural Profunda é um tema um pouco recente, algumas Fei-Fei Li a mais é que podem impulsionar o projeto. Arquitetura de Rede Neural Profunda é uma maneira muito diferente de construir serviços de computador. Em vez de codificar o software para se comportar de uma determinada maneira, os engenheiros coaxial resultam de grandes quantidades de dados. Em outras palavras, funciona mais como um treinador do que um jogador.

Como resultado, essas grandes empresas também estão trabalhando para treinar seus funcionários nesta nova maneira de fazer as coisas. O Google revelou que agora está executando atividades internas para aperfeiçoar a aprendizagem em arquitetura de rede neural profunda. Já o Facebook oferece instrução de aprendizagem para todos os engenheiros dentro da empresa ao lado de um programa formal que permite que os funcionários se tornem pesquisadores de IA em tempo integral.

Conclusão

A inteligência artificial agora é a bola da vez na indústria de tecnologia, o que pode fazer com que as pessoas sintam como uma moda passageira. Mas dentro do Google, Microsoft e Amazon, certamente não é. Essas gigantes da tecnologia estão empenhadas em impulsionar esta tecnologia através do resto do mundo.

 

 

Este artigo foi adaptado do original, “Google, Facebook, and Microsoft Are Remaking Themselves Around AI
Compartilhe com seus amigos!Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone
.